Tinho Nene

Há 15 anos duas crianças sonhavam em ter um gatinho de estimação. Surgiu uma ninhada no condomínio da avó, e havia um gatinho meio que renegado pelas outras crianças. Nos dias seguintes, sempre davam um jeito de brincar com esse gatinho, que se entretinha com as brincadeiras, correndo atrás de papéis de bala e sendo alimentado com miolinho de pão. As crianças traçaram um plano, colocar miolinho de pão na porta do apartamento da avó, o gatinho adormecido no tapete em frente da porta, a mãe ia ver, sentiria dó, seria perfeito, e foi. O início foi complicado, era o primeiro animal de estimação na vida da família, e com o tempo entenderam o jeitinho peculiar do felino. O Tinho se foi, mas foram 15 anos e todas as peripécias serão lembradas, contadas e recontadas. Somos gratos por nos ter proporcionado uma das formas mais genuínas da expressão do amor. Somos gratos, e do nosso jeito o comunicamos, e do seu jeito ele compreendeu. Ele estará para sempre em nossos corações.