Soneca

O que há para se falar de uma gata que amamos mais do que muitas pessoas?
Claro que muitas coisas, quais nunca cessarão.
Já dissemos para ela, obviamente não recebemos respostas, nem MIAU, mas não faltou recompensas desses elogios, não faltou amor incondicional, afinal são os únicos que nos amam independente de virtudes, defeitos, cobranças (menos quando a comida falta e quando a areia está suja).
Toda essa convivência, o que acontecia entre nós e ela (confesso que por vezes eram estranhas, um pouco fora do ´normal´) já foi contada milhares de vezes em rodas de amigos. Esperávamos a mesma admiração, mas às vezes éramos incompreendidos, affff, afinal para alguns era apenas um ser irracional, sem mais importância.
Também nos últimos tempos falava para Deus, implorava soluções para que este ser tão especial em nossas vidas não sofresse mais, para que um milagre acontecesse.
Agora só nos resta as lembranças e a dolorida SAUDADE.
Soneca, saudade de seus beijos ásperos, sabor "delícias do mar", de seus abraços pesados, de sua fome incontrolável, e até e com certeza de sua brabeza e teimosia.
Você só nos trouxe alegria! Uma grande companheira…
Não há quem me conheça e não saiba que eu convivi com uma gata muito das doidas!
Te amamos, assim como sempre foi!
Fabíola e família.

´Não sei porque você se foi
Quantas saudades eu senti
E de tristezas vou viver
E aquele adeus não pude dar…
Você marcou em minha vida
Viveu, morreu
Na minha história
Chego a ter medo do futuro
E da solidão
Que em minha porta bate…
E eu!
Gostava tanto de você…´