Shan´Lee

Xi niguinha da mamãe!
Quando o Freco morreu com só uma semana, pensei que nunca mais ganharia um cachorrinho.
Foi quando no dia 9 de outubro de 1998, voltando da praia, a mãe resolveu parar em uma casa pra me mostrar uma coisa. Uma casa cheia de cães. Ela queria me dar uma cachorrinha preta e branca da raça Shih´Tzu (sua irmã), mas está era muito antipática e não vinha comigo quando eu a chamava, sua outra irmã era mais atentada e vinha me morder, mas foi você, a mais pequenininha, que subiu no meu colo quando eu sentei no chão. Você me olhou como se pedisse pra eu te levar. VOCÊ ME ESCOLHEU! E eu ganhei você…
Lembra o taxista? “Impressionante como os brinquedos de hoje em dia parecem de verdade…” Mas você era de verdade.
De lá pra cá foram oito anos né bebê?
Passamos tanta coisa juntas, você nos proporcionou tanta felicidade.
Nunca vou me esquecer quando você latia (bauu´bauuu) para os passarinhos que vinham comer sua ração. Ou quando você com o Faísca e o Shin tinham crise de choro… que eu e o Rafael dizíamos que era a nossa sinfonia.
Depois de 9h de trabalho de parto… você me deu um grande presente, no dia do meu aniversário, o Shin.
Oh minha filhinha, todos estamos sentindo sua falta, até mesmo a vó Meúnas que te chamava de Chunli.
Sentirei falta de dormir contigo, você se encaixava direitinho no meu peito, parecia meu ursinho de pelúcia. Sentiremos falta da festa que fazia quando chegávamos em casa, só faltava tu falar.
Tenha certeza que estará sempre em nossos corações.
A mãe (tua vovó ou mãezinha) diz que pelo menos você não sofreu e descansou em paz.
Nunca vou a esquecer.
Cuida e faz companhia pro meu pai ta? Um dia eu me encontro com vocês.
Te amarei mais que o infinito… para sempre.
Sua mamãe Clara.
Mamãe Cristiane, Rafael, vó Meúnas e tds nossos parentes e amigos desejamos paz a sua alminha.