Rolinho

Querido Rolinho,
Esta noite sonhei contigo. A mente ainda não te deixou. E nem pretenderia que isto acontecesse.
Afinal foram 11 anos de um cão viajante por 4 cidades. E neste último ano em que esteve doente, não pode apagar os anos anteriores.
Quando pulava, corria e enxergava. O quanto adorava passear, e os barulhos e a agitação que fazia quando estava no carro.
O quanto gostava de ficar no colo de quem estava no banco da frente.
De quando passeava, sempre voltava para conferir como estava seu “passeador”.
E de quando voltava do banho, branquinho e com gravata, até a gata se assustava.
O quanto era companheiro com os outros bichos, ou tentava ser.
E a escolha de te deixar ir, foi a maneira que encontramos para você voltar a pular, correr e enxergar.
Só que longe de nós.
Queremos acreditar, e de fato precisamos tanto acreditar, que estas em uma almofada mais fofinha e confortável do que a que esteve quando estava conosco.
Obrigado Rolinho, por ter sido o nosso amigo peludo.
Com amor,
Jana, Camila, mãe e pai.