Rami

Raminha, nossa pequena…
Foram quase dezesseis anos de convivência, e se, quando você nos escolheu já tinha uns dois aninhos, chegou perto, ou quem sabe, até passou, dos seus dezoito anos de idade.
Minha amada, quem te viu agora, nesses últimos meses, tão magrinha, fragilizada e cansada, um tantinho atordoada, não imagina quão forte e robusta chegou a ser…
Sempre nos lembraremos de você com muito amor, carinho e, por certo, muita saudade. Bichinha de personalidade forte, determinada, guerreira e ladrazinha de chinelos. Sentiremos falta das mordidinhas nos calcanhares quando andávamos na sua frente, do seu rabinho em espiral, parecendo um helicóptero girando feliz quando nos via. Sem falar daquela carinha na porta da cozinha, latindo, esperando ansiosa pela comidinha da mamãe…
Deus foi muito generoso nos concedendo este tempo grande com você, e agora chegou a hora de descansar, de retomar a vida em outro lugar, agora com saúde e juventude novamente.
Fique bem, nossa Popozudinha, e vê se fica amiga dos outros cachorros por aí, hein!? A Lelezinha deve estar te esperando pra te mostrar o caminho.
Te amaremos pra sempre…
Da sua família.