Melissa

Melissa, Grande guerreira!

Os guerreiros em qualquer segmento são aqueles que lutam até o final, e quando caem, caem sempre de pé.

E foi assim com a Melissa! Eu me lembro quando ela chegou aqui em casa, tão pequena que cabia na palma da minha mão. Para dormir, sempre ficava no meu travesseiro, dormindo, dormindo, dormindo… como gostava!
Quando ela cresceu, aumentou a nossa alegria! Não parava, era uma verdadeira pipoca! Pulava, pulava, pulava…
Ciúmes! Que cachorra ciumenta! Ninguém poderia chegar de nós, que ela já levantada suas orelhas, observando tudo. As corridas para tentar morder a canela seu Paulo, os latidos escandalosos para quem falasse alto na rua, os embalos para pular nas camas aqui de casa, que era o território que ela defendia com patas e dentes!

Quando a Leila veio pela primeira vez aqui em casa, houve um grande ritual para a Melissa ver que ela era do bem! Foi muito engraçado!
Foram incontáveis aventuras e histórias que passamos juntos, como aquela vez que brincando com ela, eu mordi a pata dela. Teve aquela vez, que estávamos brincando com ela, e a Melissa tentou me morder por baixo do vidro da mesa, além daquele dia em que ela grudou no rabo de um gato e só largou porque o bichano conseguiu passar pela grade. E aquela vez que saiu muito possessa atrás de outro gato dentro da padaria em frente de casa!
Como tudo na vida, a idade chegou. Fazia anos que ela tomava remédios controlados, com idas frequentes ao veterinário…
Mas foi aí que surgiu a guerreira, pois tantos animais (e pessoas) não conseguem sobreviver já nos primeiros problemas. Mas além da sua vontade de viver, também fizemos tudo que podíamos por ela, pois vejo tanta gente má, que na hora em que o seu amigo mais precisa, larga! Claro, que isso não é somente com animais, pois tem pessoas que largam mães, pais, filhos ao esmo!

Mas ela chegou aos 13 anos, enxergando bem ainda, escutando bem também, andando, latindo, com o seu imenso carinho pela gente e batendo de frente com os problemas no coração …

Principalmente nestes últimos dias, ela não se deixou abater e lutou até o último instante de vida!!!

Mesmo muito ruim, ontem ela foi me dar tchau, tomou os remédios (mesmo fazendo aquela ´birra’ costumeira), assim como todos os dias! Me lembro do último carinho que fiz nela …

Mas nós nunca vamos lhe esquecer Melissa! Eu não sei como é o “depois” para animais, mas com certeza, ela sabe que formamos uma grande família!

Sempre te amaremos!!!
Obrigado Melissa!!!

Junior, Jussara, Leila e Angela