Mario Boss Júnior

Mário… Mário…
Miau!
Como uma pluma ele descia da sua cama (localizada em cima do guarda´roupa, por escolha dele).
Um carinho gostoso no lombo e uma grande espreguiçada, depois um convite para irmos até a cozinha.
Assim começava nosso dia.
Mario me ensinou a alegria de viver. De como é gostoso uma bagunça na sala com a fita métrica, como é divertido acompanhar da janela o moto boy que veio entregar a pizza, que um engarrafamento na rua é interessante, que olhar a chuva caindo é relaxante. E eu lhe ensinei a admirar a lua cheia majestosa no céu. Ficávamos admirando a vida, as pessoas, os cachorrinhos, as crianças, os caminhões, sentindo o vento ou a garoa ou o frio ou o sol.
Os projetos arquitetônicos construídos durante a noite com as bolinhas de lã. Nada melhor que uma bolinha de papel amassado para uma boa farra que chegava a durar horas. Depois um soninho gostoso. Adorava tirar os novelos de lã das sacolas e levar para baixo da cama e, quando com ciúmes, tirava o tricô da agulha e o escondia.
Curioso, sempre junto comigo, investigava tudo porque tudo era novidade.
Querido Mário, acredito que do outro lado do véu, você está em um grande jardim, colorido, cheio de flores lindas para você brincar e se esconder; correndo, com seu jeitinho elegante e suave, atrás de uma borboleta branca.
Você foi um anjinho com uma asa só, que me escolheu porque eu tinha uma asa só, mas juntos você me ensinou a voar.
Mario você foi o melhor companheiro e amigo que Deus poderia por no meu caminho.
Acredito que num tempo futuro voltaremos a nos reencontrar e brincar muito.
Seja feliz meu grande companheiro.