Luna e Coty

Coty – Outubro/2000 – + 21/02/2015
Luna – Outubro/2000 – + 10/09/2009

Minha homenagem à COTY, é tentar resumir seus 14 anos de convivência com nosso família.
Ela foi deixada em nosso portão bem pequenina, em Novembro do ano de 2000, às vésperas do anunciado “fim do mundo”, com o rabinho necrosado e inflamado na base. Passou por uma cirurgia e conseguiu sobreviver.
Transformou-se numa gata independente, mas amorosa e muito charmosa. Grandes olhos verdes atentos e emoldurados como Cleópatra. Pelagem digna de um gato do mato e sem rabo, o que chamava muito a atenção.
Era a rainha da soneca, com muito estilo: escondida debaixo de seu edredon no inverno; ao sol cobrindo os olhos com a patinha para fugir da claridade; na sombra do guarda chuva colocado para secar; deitada de costas, de “pernas para o ar” com as patas dianteiras dobradas sobre o peito, para relaxar a coluna; no meu colo, à noite, na frente da TV, sobre os meus pés ou joelho dolorido na hora de dormir.
Caçava e me oferecia tudo que se mexia. Era o terror dos insetos, das borboletas, principalmente, das lagartixas e passarinhos – coitadinhos!
Saía na chuva para beber água que corria na calçada e gostava de beber também a água do chuveiro.
Tinha duas caixas de areia, porque só usava o banheiro rigorosamente limpo.
No almoço pedia salada:alface americano, rúcula ou agrião sempre temperados com azeite de oliva e creme balsãmico, degustados aos pedacinhos.
Apesar da pelagem baixa, mas farta, gostava de ser escovada porque detestava banho: fazia sua própria higiene com rigor.
Viveu nove anos em paz com a LUNA, que também foi deixada em meu portão alguns dias antes dela.
Dormiam juntas, abraçadas, brincavam, lutavam, colaboravam na higiene mútua.
Mas nessa época quem reinava era a LUNA.Só ela dormia no meu colo; era a minha “dona”.
Só após sua morte e muitos meses depois, a COTY conseguiu deitar tranquilamente em meu colo. Antes ela era companheira do meu marido e dos meus filhos.
O coraçãozinho da COTY parou de bater na madrugada do dia 21 de Fevereiro de 2015 e nos deixou, acredito que sem sofrimento.Mas a LUNA viveu o último ano, intercalando internações, cirurgia, períodos difíceis e sofridos para todos nós, até 10 de Setembro de 2009.
Alguns dias antes da morte da COTY, eu pensava todo dia na LUNA e tenho certeza que ela estava preparando o caminho de sua companheira para nos deixar em paz.
Homenageio também uma seleção incontável de gatos que viveram conosco, salvos do abandono com muito carinho e da morte (pelo menos temporariamente) por uma rede de amor bem construída durante muitos anos. Para citar alguns:Dengoso, Dengosa- no início de tudo – Eugênio, Cléo, Lia, Lobinho, Dayan,Astrakar,Fox, Pérsica, Beatriz, João, Huguinho, Nevado, Rodolfo, Mimosa, Mixirica, gatos de todas as cores e pelagens, com muitas vidas, breves e longas, amorosos e lindos!
Rosicler Rodrigues Teixeira Villatore
22/02/2015