Kim

Não vou falar de saudade, mas sim um pouco desse grande companheiro.
Ele me foi entregue numa noite fria de maio, cheio de pulgas e eu logo me apaixonei por ele, desde este dia foi um a amor incondicional. Sempre foi fiel aos seus donos, fez grandes viagens Portugal´Brasil, Rio de Janeiro, Rio Grande de Sul e seu destino final Santa Catarina. O que ele mais queria era estar junto de seus donos. Nunca aceitou outro cachorro, deixava de comer e fazia a sua chantagem, pois fazia questão de ser o nosso Kim.
Infelizmente com o passar da idade foi ficando pesado e com isso desenvolveu displasia femural e na nossa tentativa de aliviar a sua dor recorremos para a cirurgia, mas o nosso Kim não agüentou e venho a falecer.
Deixou sim um grande vazio em nossas vidas, mas confesso que valeu a pena, pois hoje posso dizer que sei o que é amar uma animal e ser amada por ele.
A nossa casa já não é mais a mesma, tem um silêncio enorme, e nos primeiros dias após a sua morte até evitamos de sair, pois sabíamos que não seria mais aquela alegria dos seus latidos.
Mas a tempo vai amenizando essa dor, mas jamais esqueceremos esse grande parceiro.
Betina