Ianka

Você nos deixou e nós já estávamos juntas há 17 anos.
Eu olhava no fundo dos teus olhos e via que pedia por descanso, mas… não queria te deixar partir.
Vivemos juntas tantos momentos: me viu crescer, te dar apelidos engraçados (José, Verde e Bomboniere), te levar pra praia porque adorava cavar enormes buracos… Você me ouviu, mesmo sendo surda. Parece que sentia tudo o que eu sentia.
Você veio para tampar a ferida da morte de minha amada avó.
Quando te vi pela primeira vez, naquele 16 de fevereiro, era apenas um ratinho frágil, minúscula… Depois cresceu e mesmo assim ficou tão “pequenina”.
Meu coração está doendo de não estar mais aqui.
Bem dizem que o maior defeito dos cães é viver tão pouco.
Vou continuar te amando por toda minha vida meu bichinho aqui e no infinito.

Esteja em paz num mundo melhor.
Um dia iremos nos encontrar mais uma vez.

Te amo