Garfield

Talvez eu tenha demorado estes dias para tomar coragem e escrever algo por não acreditar que você tivesse ido embora tão cedo, lembra o quanto eu gostava de repetir que você era o meu filho e que só iria morrer comigo ou depois de mim? Mas eu entendo que está no céu agora, provavelmente não brincando com borboletas como me disseram, ou com qualquer outro animal já que você era gordo o suficiente para evitar qualquer esforço físico que não fosse levantar pra comer.
Parece exagero, mas tá triste a casa sem você tentando matar a Déia, fungindo da Aline, miando quando alguém abre a geladeira com a esperança de ganhar um pouquinho de leite ou um pedaço de alguma coisa ou sujando a casa quando a mãe vinha nos visitar (por detestar ela). Quantas vezes já sentei e conversei contigo? Tenho certeza de que você conseguia falar, mas eu provavelmente nunca tenha dito nada que te interessasse a ponto de você dirigir sua voz real à mim (HAHAHA), você não sabe mas até a mãe chorou quando você foi embora..
Dois anos, dois meses e dois dias não foi tempo suficiente, mas foi tudo o que Deus nos permitiu. E eu agradeço a ele por entre todos os filhotes da Alessandra (vulgo Mafe), termos escolhido você Garfield. Eu nem consigo dizer o quanto eu te amo, mas sei quantas coisas boas tu trouxe pra essa casa nestes dois anos, inclusive o ratinho que você matou e trouxe de presente o qual eu nunca agradeci. Com certeza nunca vou esquecer de você, e se me pedissem pra definir saudades hoje, eu definiria como uma bolinha amarela e peluda de olhos grandes e bigode preto.. Vê se faz o que você mais gostava de fazer, descansar em paz.

Obs: Tenho certeza que a borboleta amarela que apareceu por aqui era você, pra saber como estávamos.