Fran

Conheci a minha Franzinha quando, com 1 mês ela entrou na minha vida, em abril de 1996.
Depois disso, nesses 14 anos, nunca mais fiquei sozinho.
Seja nos momentos mais difíceis, mais cruéis, você sempre esteve comigo.
Me esperando, me sorrindo, pulando em mim.
Seja nos nossos momentos de brincadeira, mordidas, correrias, passeios….
Uma amiga assim é difícil achar. Depois disso e por causa de você, veio o Field,
seu namorado, o Wolf seu filhote desengonçado, e todos os outros que você espalhou
por aí pra fazer a alegria de muitas famílias.
Nesse sábado de maio de 2010, tive que tomar umas das decisões mais difíceis até hoje,
cessar com seu sofrimento. Afinal, depois de 3 cirurgias os tumores não deram trégua e
voltaram ainda mais ferozes, cruéis e arrasadores.
Mesmo assim você foi forte. Não queria me deixar. Nem eu.
Até o fim, com seus olhinhos carinhosos, profundos, que desde o primeiro
dia me fizeram querer saber como seria essa relação.
Pois eu te digo de novo, e como sempre te disse e demonstrei,
com você conheci um outro tipo de amor.
Um que existe incondicionalmente,
que não espera nada, que quer apenas existir.
Obrigado velha amiga por tudo.
Nunca te esqueceremos.
Família Corrêa. Silvio, Giovana, Gabriela e Giuliano.
E a sua família, o Field e o Wolf.
Essa foto foi tirada na quinta, dois dias antes de sua partida.