Beethoven

Vou sentir tanta sua falta, mas sei que você está descansando em paz. Estranho é saber que não te verei mais, que você não estará mais a minha espera ou aqui para me acompanhar ao portão pela manhã, não poderei mais te abraçar ou te deitar em meu colo, não ouvirei mais aquele latino de choro por ter ficado muito tempo só em casa. Meu negão, meu bebê! Agradeço a Deus por não ter te deixado sofrer. Me lembro de quando você chegou em casa, um filhote pequenino de apenas 45 dias, uma bolinha preta, minha bolinha preta. O cão vegetariano (risos) que amava uma boa fruta e um bom vegetal… Todas as suas artes ou travessuras nunca foram maior do que o amor que eu sempre tive por ti. Pra mim você era como uma criança e assim foi criado. Foram bons 9 anos e 9 meses ao seu lado e durante esse tempo tiveram bons momentos e serão eles que guardarei em minha lembrança, sei que fiz de tudo para te ver bem, porém todo anjo tem um tempo determinado na Terra. Te amo meu Thove. E como diz no livro Marley e Eu: “Um cão não precisa de carros modernos, palacetes ou roupas de grife. Símbolos de status não significam nada para ele. Um pedaço de madeira encontrado na praia serve. Um cão não julga os outros por sua cor, credo ou classe, mas por quem são por dentro. Um cão não se importa se você é rico ou pobre, educado ou analfabeto, inteligente ou burro. Se você lhe der seu coração, ele lhe dará o dele.” Te amo, meu anjo!