Bebel

Quando você chegou, nenhum de nós imaginávamos a situação em que você vivia. Do canil mais renomado, cheia de vacinas, pedigree, prêmios e condecorações. “Melhor filhote da raça”, eles diziam. Chegou quietinha, encolhida, com os pelos emaranhados e o olhar exalando o medo. Andando em círculos, fazendo xixi em você mesma, chocando a todos que vissem qualquer uma das tuas fotos na internet. Aos poucos, tivemos que nos adaptar. Te provar que quando levantávamos a mão, não era pra te machucar, mas sim pra te dar carinho. Te mostrar que a vassoura era pra deixar a casa limpinha, e jamais pra te bater. O temor em seus olhinhos brilhantes foi sumindo aos poucos. Enchemos os pés da árvore de natal de bacon, para que você perdesse o medo de se aproximar. Te ensinamos que quando ela era montada, era em homenagem ao seu aniversário, já que você nasceu na véspera do natal. Christmas Bells, o nome inspirado no som dos sinos que badalavam no momento em que você chegou ao mundo. Infelizmente, não tivemos a chance de te tirar daquela vida dolorida mais cedo, mas conseguimos fazer com que você vivesse mais da metade dos anos da sua vida ao nosso lado: com seus uivos de manhã cedo, quando queria carinho; com suas “sapateadas” no chão de madeira, que morríamos de medo de atormentarem os vizinhos; com a sua alegria e seus saltos de felicidade quando o interfone tocava, pois você sabia que era sinal de que tinha chegado comida. Foi difícil lidar com a sensação de que poderíamos ter descoberto antes sobre seus rinzinhos, mas foi reconfortante saber que, por não sabermos disso, você viveu até o último dos seus dias feliz, se entupindo do pãozinho que você tanto amava, das pastinhas de cordeiro que eram suas favoritas, das bordas das pizzas, das suas frutas prediletas. Você apareceu na nossa vida de repente e só trouxe coisas boas. Até do jeito que você mergulhava suas orelhas no pote quando ia tomar água, nós hoje sentimos falta.
Bebel, não há palavras no mundo que sejam o suficiente pro quando nós te amamos. Desde o momento em que você chegou, até o momento que você se foi. Eu tenho certeza que, se existe um céu dos cachorrinhos, você está no camarote. A pureza, a inocência e o amor que existia no seu coraçãozinho, seria ingresso pra te enviar pra qualquer que seja o paraíso. Faz o uh-uh-uh aí do céu Bebel, porque aqui da terra, quando vemos a estrela mais brilhante do céu, temos a certeza de que é você correndo de uma ponta do universo a outra, chacoalhando suas orelhinhas cacheadas, e uivando enquanto nos protege.
Obrigada por ter nos dado o privilégio do seu amor.