Os Animais e a Lenda da Ponte do Arco-íris

A despedida de nossos pets é sempre algo difícil, porém com respeito, carinho e foco nas boas lembranças, é possível tornar o processo menos dolorido.

Pensando nisso, o projeto Psicopet propõe conforto e ajuda psicológica às famílias de pet, abordando os temas do luto de forma humanizada e respeitosa. Conheça conosco a reflexão sobre a lenda da Ponte do Arco-Íris e a importante vivência dos rituais de despedida e de passagem.

Você já ouviu falar da lenda da Ponte do Arco-Íris, escrita por William Britton? É um conto que descreve um lugar especial, para aonde os animais de estimação seguem após a morte. Neste lugar, todos os animais que já estavam doentes e velhinhos se vêem renovados, cheios de saúde e vigor. Aqueles que foram machucados e mutilados estão perfeitos e fortes novamente, exatamente como nós nos lembramos deles em nossos sonhos. Os animais que amamos vivem felizes e alegres, exceto por um detalhe: cada um deles sente saudades de alguém que foi deixado para trás. Todos eles correm e brincam juntos, mas chega um dia em que um deles para de repente e olha fixo para as colinas ao longe. É como se ele tivesse ouvido um apito ou aviso. Seus olhos brilhantes estão atentos e seu corpo começa a tremer levemente. De repente ele se separa do grupo, voando por sobre a grama verde, correndo o mais rápido que consegue. Você foi avistado, e quando você e seu amigo especial finalmente se encontram, vocês ficam unidos na alegria do reencontro para nunca mais se separarem. E então vocês, juntos, cruzarão a Ponte do Arco Íris. E seu Ciclo Sagrado estará completo mais uma vez. Esta lenda nos elucida um pouco de nossas crenças, em podermos reencontrar com nossos amores novamente e vivermos com eles em nossas eternidades. Parece-lhe reconfortante ou absurdo? Vivenciar lutos e perdas demanda a travessia de variadas etapas e fases, nem sempre lineares e sequenciais, portanto é compreensível que uma lenda como a Ponte do Arco- Íris possa lhe trazer variadas reações emocionais dentro do “suportar e sofrer”. Imediatamente a morte de alguém especial e significativo em nossas vidas, surgem variados comportamentos que nos colocam em direção contrária ao ocorrido, procurando muitas vezes nos distanciar de despedidas e tais manifestações. E o que pode estar por trás da eliminação destes rituais ou da redução do tempo que envolvam homenagens, é a própria negação da morte e de tudo que a envolve. Por mais dolorido que seja imaginar que agora nossos companheirinhos estejam agora correndo com outros amigos bem próximos a ponte do arco-íris, é importante saber que rituais de despedida podem ser fundamentais na elaboração de nossos lutos, pois eles organizam física e psiquicamente os sentimentos de perda. Tão importante quanto homenagear a memória de seu companheiro, é fato que os rituais de despedida ou também chamados de passagem sejam também um suporte no processamento dos sentimentos mais intensos correlacionados ao luto. É através dos rituais de despedida que normalmente aos poucos, percebemos que o corpo se vai, mas o amor não deixa de existir. E que foi muito mais importante tê-los em nossas vidas e os perdidos, do que nunca chegar a tê-los. E por que não, encontrarmos sensações e crenças sobre as possibilidades de atravessarmos a ponte do arco-íris juntos, não é mesmo?

Um grande abraço, Psicóloga Fabiana Witthoeft
CRP 08/08741 | Psicopet
Amparando o luto de animais de estimação.